domingo, 13 de fevereiro de 2011






Meus dedos se movem apressados
Com ânsia de romper as divisas
Rabiscar os gritos da noite
Enclausurados  nos meus ossos
Borrados de vinho e tinta
Transpirados pelos vãos
Deste  tempo que me derrete
Em mel da goma de chiclete
Mascada sem anestesias
Pelos dentes amolados
Da dama da noite fria.
Meus dedos fazem lambança
Com meus desejos e vontades
Quebram minha castidade
Arrombam meus pensamentos
Bailam com meus pincéis
Entre minhas telas cruas
Emaranham novos traços
Reinventam novas formas
Disformes da realidade
Sem pesos e medidas
Que meçam meu deboche.
Meus dedos ascendem a vela
Dão cor a polpa grotesca
Escondida por etiquetas
De expressões Made in China
Das casas mal assombradas
Camuflando as janelas dos morcegos
Rasgando as teias das aranhas
Para tomarem um porre dum novo olhar.
Meus dedos rabiscam atalhos
Dentro da velha caverna
Para sentir o toque das cascatas
O canto de suas vacas
Entre um beijo de elefante
Nas minhas vontades e formigas
De faíscas fortes e rasantes
Indicando  o trem fantasma
A direção  da estrela guia
Do céu gramado entre o concreto
De homens plantados entre objetos
Misturados no pó de arroz
Da terra que me come sem perdão
Reza ou oração.
Meus dedos têm pressa....

                    Alcinéia Marcucci 




                   Obra " O Susto do Carnaval" (0,40x 0,40cm)


Ando pintando com poucos detalhes e mais sentimentos! Como já dizeram por aí,  liberdade é não ter medo do ridículo e de se expor por inteira, revelando os mistérios que habitam a alma.
Quando terminei este quadro, que não levou mais de 13 minutos de pintura coloquei num canto do chão da sala para secar, minha mãe o observou e disse que deveria pintar paisagens e outras reproduções externas ,comuns aos nossos olhos.
Não pinto a realidade, a realidade já foi criada por Deus e remodulada pelos homens!
Pinto os meus extintos, e um pouco da dor, do amor, e do sofrimento, pois eles também existem, embora poucos vêem e sentem suas fagulhas lançadas por aí!
Ah! A respeito das vendas? Quero que elas se danem! Minha arte é isenta de rótulos, prêmios é etiquetas! Ela é de dentro para dentro. Anda extinta do extermínio do lado de fora que faz da expressão artística  comércio silêncioso...

3 comentários:

  1. Isto sim, é Arte , amiga . Quem pinta pra decorar uma sala é pintor . Quem pinta pra extravasar seus demônios é artista . Van Gogh mostrou toda sua dor e inconformismo em vasos imperfeitos de girassois . Em quartos inabitáveis . O instinto cede lugar à intuição e à percepção ; quem for sensível o suficiente compra . Quem quer combinar o sofá com a parede, ignora .
    Beijo grande , Artista !

    ResponderExcluir
  2. Obrigada minha grande amiga por compreender a arte que está roçando meu peito no momento!!!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  3. voce agora e ubha crisalida ten tudos o elementos pua sair a bolboreta meu ben

    ResponderExcluir